Por que gesticulamos enquanto falamos?

Durante uma apresentação orquestral ao vivo, o maestro costuma ficar em frente à orquestra e começa a mover suas mãos, sendo que cada gesto comunica uma determinada instrução. Em nossa vida diária, também gesticulamos, afinal, quando falamos, nossas mãos se movem com a melodia de nossas palavras, imitando nossas emoções e conduzindo as mudanças em nossas palavras e pensamentos.

Gesticular é algo tão importante para a forma como falamos que, se você se impedir uma pessoa de fazê-lo, verá a sua fala de maneira um pouco diferente. Na prática, falar sem gesticular exige mais esforço por parte do ouvinte para compreender o que está sendo dito.

Então, porque isso acontece? Se temos as palavras para dizer da maneira que queremos, por que gesticulamos tanto? E o que exatamente estamos comunicando com todos esses gestos?

Gesticulamos porque também somos adeptos da comunicação não verbal

Pouca gente percebe, mas palavras e frases não são as únicas coisas que formam a linguagem. Na verdade, toda a gama de significado por trás de nossas palavras surge quando usamos o resto do nosso corpo, que é a nossa linguagem corporal, por assim dizer.

Os gestos, como palavras, são compostos de um vocabulário muito rico. Entretanto, ao contrário de nossas palavras, nossos gestos não se encaixam perfeitamente em um dicionário. A maioria dos gestos têm significados com base em contextos, o que torna a linguagem corporal mais complexa.

Por outro lado, a linguagem de sinais é uma linguagem completa, pois os gestos são acompanhamentos que seguem uma determinada linguagem principal. Além disso, a linguagem de sinais tem um vocabulário e gramática ricos que podem ser codificados usando regras semelhantes às da linguagem falada.

Gesticulamos porque isso nos ajuda a pensar

Segundo o HuffPost, além de nos ajudar diretamente na comunicação com outras pessoas, os gestos também podem nos auxiliar a pensar, tornando a nossa linguagem falada muito mais coerente.

De certo modo, os gestos nos ajudam a “empacotar” as informações sobre as quais queremos falar. Portanto, se você precisar descrever como dois objetos são diferentes, ou como uma coisa muda para outra, seus gestos poderão ajudá-lo a encontrar mais facilmente as palavras na sua mente.

Para entender esse processo mais a fundo, pesquisadores estão investigando como os gestos e a linguagem estão ligados no cérebro. Em 2009, um grupo de cientistas descobriu que os gestos são decodificados pelas mesmas partes do cérebro que decodificam a linguagem falada e de sinais, sugerindo que os gestos são cruciais para a linguagem e nossa compreensão dela.

Dito isto, é possível que os gestos também nos ajudem a aprender línguas. Na prática, aprender a gesticular em um novo idioma (até porque os gestos podem variar dependendo da cultura e do idioma) pode ajudar qualquer pessoa a lembrar o vocabulário e a conversar ativamente em seu novo idioma.

A perspectiva evolutiva dos gestos com as mãos

Alguns cientistas acreditam que nossos gestos precederam a linguagem verbal. Na verdade, muitos deles sugerem que nossos ancestrais usavam gestos para se comunicar uns com os outros, antes que qualquer tipo de linguagem se desenvolvesse.

Eventualmente, começamos a nos comunicar por meio de sons, mas ainda assim mantivemos nossos gestos.

Curiosamente, se for observar, você gesticula até quando fala consigo mesmo. Ainda que não haja público, nossas mãos acompanham nossas palavras e pensamento. No fim das contas, tudo isso mostra como os gestos realmente são importantes!

Então, da próxima vez que você estiver falando com alguém, lembre-se de que suas mãos e seu corpo também estão dizendo coisas, reforçando ou explicando o que quer que esteja saindo de sua boca!

E então, sabia todas estas coisas?

Vamos aprender, sempre! Conhecimento é sempre bem vindo. Lembre-se de deixar a sua opinião nos comentários e se tiver mais alguma curiosidade para compartilhar, estamos ansiosos para saber.

Total
0
Shares
Artigo Anterior

Quais são os maiores mitos sobre o cérebro humano?

Próximo Artigo

Quem foi a primeira pessoa a morrer em um acidente de avião?

Postagens Relacionadas