As águas-vivas têm olhos?

As águas-vivas são algumas das criaturas mais fascinantes do planeta, afinal, não é toda hora que nos deparamos com animais formados basicamente por uma massa minúscula e transparente de tentáculos. De fato, a anatomia desses seres é tão intrigante que pode levantar vários questionamentos: por exemplo, as águas vivas têm olhos? Como essas criaturas conseguem enxergar?

Como veremos ao longo deste artigo, a verdade é que, ao contrário dos humanos, os “olhos” da maioria das águas-vivas não estão concentrados em um único órgão; em vez disso, a capacidade de enxergar desses animais é facilitada por uma rede de nervos e proteínas chamadas opsinas.

Compreendendo o que realmente são as águas-vivas

As águas-vivas (também chamadas de medusas) são membros do filo Cnidaria e não podem ser classificadas cientificamente como peixes, que pertencem ao filo Chordata. Esses ancestrais evolucionários, que vivem na Terra há mais de 600 milhões de anos, são fisiologicamente simples. Seus corpos são composto principalmente de água (cerca de 95 a 98%), junto com uma pequena lista de partes sólidas.

Em termos simples, uma água-viva é basicamente um sanduíche de duas camadas celulares: a epiderme externa e a camada interna da gastroderme. Entre essas duas células está um fluido espesso e gelatinoso chamado mesogleia.

A água-viva tem uma única abertura que serve tanto como boca (orifício que leva o alimento para dentro) quanto como ânus (que o excreta). A boca leva à cavidade gastrovascular, um estômago rudimentar onde a água-viva digere e absorve os nutrientes de seus alimentos.

O último elemento de sua estrutura física, que a maioria das pessoas associa a esses cnidários, são os tentáculos. Embora possam variar amplamente em termos de comprimento e número, eles são indiscutivelmente a parte corporal mais importante de qualquer água-viva. Eles também são os órgãos sensoriais primários para essas criaturas básicas, inclusive promovendo seu poder de “visão”, como veremos a seguir.

Quando pensamos nos olhos, é natural imaginá-los como estruturas semelhantes às nossas, mas a variedade de órgãos que fornecem algum tipo de visão na natureza é imensa. De fato, há um intenso debate sobre se os olhos como os conhecemos se desenvolveram uma ou várias vezes ao longo da árvore evolutiva da vida na Terra.

De um modo geral, o consenso é que algum tipo de mecanismo de detecção de luz estava presente em um ancestral dos animais videntes, mas a diversidade de como essa programação genética se desenvolveu continua sendo uma fonte de fascínio para os pesquisadores.

No caso das águas-vivas, podemos dizer que algumas têm “olhos”, mas esses olhos não se parecem com os nossos, exceto a água-viva-caixa, que discutiremos mais tarde. De um modo geral, o fato é que os “olhos” das águas vivas são bons o suficiente para detectar sinais básicos de luz.

Os sinais de luz são enviados para o sistema nervoso rudimentar da água-viva, que se parece com uma rede nervosa. O órgão de detecção de luz da água-viva fica dentro de uma estrutura chamada ropálio. Dentro do ropálio existem estruturas responsáveis pelo senso de visão das águas-vivas, assim como um órgão sensor de luz chamado ocelo.

Ainda assim, a maioria das águas-vivas pode detectar somente a luz e sua intensidade, nada mais do que isso.

O caso específico da água-viva-caixa

A água-viva-caixa (Tripedalia cystophora), natural da Austrália e que é considerada uma das mais perigosas, possui olhos que são relativamente parecidos com os nossos, até porque contam com retina, córnea e lentes. Além disso, essa espécie conta com um número considerável de opsinas, que são proteínas que podem detectar a luz.

Na prática, essas opsinas são semelhantes às mesmas opsinas que permitem aos humanos enxergar o mundo ao seu redor. Quando a luz atinge essas opsinas, ocorre uma série de mudanças bioquímicas complexas que, em última análise, levam à ativação de neurônios que permitem que a água-viva responda adequadamente ao estímulo luminoso.

Com esses olhos, a Tripedalia cystophora pode enxergar o mundo, embora sua visão seja um pouco embaçada. Sendo assim, essa espécie pode utilizar seu sentido de visão para identificar habitats específicos, como entre as raízes de manguezais, ou usá-lo na busca por presas.

E então, sabia todas estas coisas?

Vamos aprender, sempre! Conhecimento é sempre bem vindo. Lembre-se de deixar a sua opinião nos comentários e se tiver mais alguma curiosidade para compartilhar, estamos ansiosos para saber.

Total
0
Shares
Artigo Anterior

É verdade que as baratas conseguem viver sem cabeça?

Próximo Artigo

Como os cães sabem se estamos tristes ou felizes?

Postagens Relacionadas