http://molcci.com.br/a-bizarra-epidemia-da-danca-em-estrasburgo-franca-de-1518/

A bizarra epidemia da dança em Estrasburgo França de 1518

Em julho de 1518, a cidade de Estrasburgo, França, foi protagonista de um evento extremamente bizarro que até hoje nenhuma explicação foi capaz de pôr fim ao mistério que o rodeia.

Tudo começou quando uma mulher chamada Frau Troffea, começou a dançar descontroladamente pelas ruas da cidade. Em uma fervorosa vigília que durou entre quatro e seis dias. No final da semana, outras 34 pessoas haviam se juntado a ela e, em um mês, a multidão de pessoas que dançavam, pulavam e saltitavam tinha aumentado para 400.

Por nenhuma razão aparente, de julho de 1518 a agosto do mesmo ano. Centenas de pessoas foram atingidas por um desejo irresistível de dançar, continuamente, dia e noite. A epidemia parou apenas no início de setembro. Quando os dançarinos malucos foram deportados para serem hospitalizados e possivelmente tratados em um santuário.

o ano, centenas de pessoas foram atingidas por um desejo irresistível de dançar, continuamente, dia e noite. A epidemia parou apenas no início de setembro. Quando os dançarinos malucos foram deportados para serem hospitalizados e possivelmente tratados em um santuário.

A provável “solução” para epidemia em Estrasburgo França

A fim de encontrar uma explicação para este evento misterioso, astrólogos e médicos foram chamados em Estrasburgo França. Para explicar alguns alinhamentos planetários ou eventos sobrenaturais como causas do fenômeno.  A ideia compartilhada por muitos era que tudo não passava de um desastre natural causado por. “Sangue quente” e que a única solução para o problema, era continuar dançando para resfriá-lo.

Após consultas com os especialistas, as autoridades elaboraram uma solução que envolvia a convocação de tantos músicos quanto possível na cidade. Para dar ritmo aos dançarinos malucos com suas baterias e suas melodias. Foi até mesmo construído um palco de madeira em um dos mercados da cidade para incentivar danças espontâneas e apresentações de músicos e vítimas da misteriosa praga.

Após dias inteiros de dança ininterrupta logo começou a aparecer as primeiras vítimas: algumas pessoas estavam sofrendo de ataques cardíacos. Acidente vascular cerebral e exaustão fatal enquanto outros desabaram no chão exaustos ou sob o domínio de espasmos musculares. Incontroláveis devido a fadiga excessiva e desidratação. A epidemia de dança não foi a primeira na história da Europa. Em 1374, outra epidemia dançante atingiu a Bélgica, o nordeste da França e Luxemburgo. Mas não temos documentação abundante como no caso de Estrasburgo em 1518, provavelmente a última da história medieval.

Explicações da ciência do que aconteceu Estrasburgo França

Como explicar essa estranha praga da dança com a ciência moderna? Uma das primeiras explicações era a ingestão acidental de ergot ou cravagem. Um fungo que cresce em grãos que podem ter consequências potencialmente fatais e o famoso efeito alucinatório, um fenômeno chamado na época de. “Fogo de Santo Antônio” e nos tempos modernos de “ergotismo”.

As intoxicações por ergot não eram tão raras nas regiões do norte da Europa. Onde o pão era feito de centeio, o ergotismo causado pelo ergot causa espasmos e sangramentos. Icontroláveis ​​que dificultam muito a coordenação dos movimentos em uma dança. Posteriormente, foi proposta a hipótese de que as pessoas envolvidas na epidemia de dança. Eram membros de natureza herética, como afirmou o sociólogo Robert Bartholomew.

Nesse cenário estão inclusos: primeiro, uma seita herética que não queria se revelar ao mundo de uma maneira tão gritante, especialmente em 1518. Em segundo lugar, foram as próprias vítimas que expressaram seu sofrimento. Por essa condição bizarra e pediram ajuda para que alguém ou alguma coisa as detivesse.

Uma histeria em massa causada pela fome e por doenças que por algum tempo afligiram as classes mais pobres de Estrasburgo, foi vista como a causa do problema. Mas a única histeria em massa, não explica por que essas pessoas dançavam tão convulsivamente por dias inteiros, mesmo que estivessem desnutridas ou sofressem de outras doenças.

Transe e histeria em massa

A opinião de John Waller, autor do livro. “Um tempo para dançar: um tempo para morrer”, é de que essas pessoas estavam em uma espécie de transe religioso profundo induzido por períodos prolongados de estresse psicológico. Era como se elas fossem “possuídas”, uma mistura de histeria em massa e uma crença religiosa particular ligada à figura de São Vito. 

“Que o evento aconteceu é incontestável, essas pessoas não estavam simplesmente presas em tremores ou convulsões. Elas estavam em transe, seus braços e pernas se moviam em uma dança”, explicou Waller.

Os estratos menos abastados de Estrasburgo acreditavam no que era chamado de maldição de São Vito: esse santo teria sido capaz de possuir a mente de qualquer um que merecesse punição divina, forçando-a a dançar ininterruptamente. São Vito é o santo padroeiro dos dançarinos e foi invocado principalmente como um protetor contra a epilepsia e coréia de Sydenham, doenças interpretas na época como uma espécie de posse induzida por maldição pelo comportamento moralmente inaceitável.

De acordo com Waller, a epidemia de dança de 1518 era uma mistura de desespero e religiosidade elevada ao extremo. Quando Strasbourg tornou-se uma cidade protestante, eliminando o culto dos santos, não ocorreu mais episódios dessa natureza.

E então, sabia todas estas coisas?

Vamos aprender, sempre! Conhecimento é sempre bem vindo. Lembre-se de deixar a sua opinião nos comentários e se tiver mais alguma curiosidade para compartilhar, estamos ansiosos para saber.

Total
0
Shares
Artigo Anterior

Por que os raios não caem em linha reta?

Próximo Artigo

Por que as bexigas estouram quando são espetadas por uma agulha?

Postagens Relacionadas